História

Nossa história

Somos a Infraero, uma empresa pública nacional com mais de 40 anos de experiência, comprometida com as pessoas, com a segurança, o conforto e o bom atendimento. Estamos entre as três maiores operadoras aeroportuárias do mundo e, desde 1973, contribuímos para simplificar e enriquecer a experiência dos clientes, viajantes ou parceiros de negócios, que utilizam nossos 55 aeroportos espalhados pelo Brasil. São mais de 100 milhões de passageiros transportados ao ano, representando cerca de 60% do movimento aéreo no País, o que nos coloca em posição de destaque no cenário da aviação nacional. Administramos desde grandes aeroportos até alguns tão pequenos que ainda não recebem voos comerciais regulares, mas cumprem a função de representar a soberania do Brasil em áreas longínquas e de fronteira. Muitos dos nossos aeroportos são considerados verdadeiros centros de negócios e abrigam as mais diversas atividades econômicas, desde o varejo, a alimentação e a mídia aeroportuária, até empreendimentos externos como hotéis, hangares, centros de convenções e estacionamentos de veículos. Também somos sócios – com 49% de participação – dos aeroportos de Brasília, no Distrito Federal, Guarulhos e Viracopos, em São Paulo, Confins, em Minas Gerais e Galeão, no Rio de Janeiro. Nossas conquistas ao longo dos anos mostram que estamos em constante evolução, investindo em treinamento e tecnologia na busca da melhoria da prestação de serviços e de soluções aeroportuárias. Participar do desenvolvimento do País e do setor é o nosso compromisso com o Brasil e com as próximas gerações, primando sempre pelo bom atendimento aos clientes e pela sustentabilidade do negócio aeroportuário.

1970 O início

  • 1973

          A Infraero inicia suas atividades em 31 de maio de 1973, tendo como primeiro presidente o tenente brigadeiro do ar Hélio Costa. No mesmo ano, em 2 de novembro, a empresa assume a administração do Aeroporto Internacional de Brasília Presidente Juscelino Kubitschek e, no dia 7, inicia a gestão do Aeroporto de Ponta Pelada, em Manaus, no Amazonas.

  • 1974

          Em 1974, a Infraero passa a administrar outros 13 aeroportos: Pampulha (MG), Carlos Prates (MG), Belém (PA), Boa Vista (RR), Recife (PE), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Florianópolis (SC), Joinville (SC) e Porto Alegre (RS).

          Em julho de 1974, começa a funcionar o primeiro terminal de cargas da Infraero (TECA), instalado no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, no Paraná. Até o final do ano são inaugurados os terminais de cargas dos aeroportos de Porto Alegre (RS), Joinville (SC) e Belém (PA).

  • 1975

          A partir de fevereiro de 1975 a Infraero assume a administração de mais oito aeroportos: Aracaju (SE), Campo Grande (MS), Corumbá (MS), Cuiabá (MT), Maceió (AL), São Luís (MA), Teresina (PI) e Vitória (ES) e começam a funcionar os terminais de cargas dos aeroportos de Recife (PE), Natal (RN), Fortaleza (CE), São Luís (MA), Goiânia (GO), Corumbá (MS) e Brasília (DF).

          Nesse mesmo ano, quando a Infraero já administrava 26 aeroportos, uma mensagem da Presidência da República enviada ao Congresso elencava algumas conquistas da empresa, como o aumento da capacidade de áreas de pousos e manobras dos aeroportos, a criação dos terminais de carga, a aquisição de 22 carros de combate a incêndio e de 12 carros limpa-pista, além da melhoria das instalações aeroportuárias nos estados do Ceará, de Minas Gerais, da Bahia, do Mato Grosso e do Espírito Santo.

  • 1976

          Um passo importante é dado em 1976, com a inauguração do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, no Amazonas, que apresentava as mais modernas soluções aeroportuárias da época. Entre outros avanços, foi o primeiro do País a contar com pontes de embarque e desembarque de passageiros.

  • 1977

          Em 20 de janeiro de 1977, é inaugurado o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ). Convidado, o então presidente Ernesto Geisel percorre a área do check-in, anda nas escadas rolantes, observa os equipamentos de raio-X e visita a área de desembarque. Em seguida, o presidente é convidado a assistir a um filme sobre o aeroporto para ter uma ideia de como tudo funcionará. Na tela, viajantes fazem check-in, circulam pelas lojas, andam apressados pelos corredores e almoçam num dos restaurantes. Numa das cenas, um avião se aproxima da nova pista, ainda não inaugurada, para o pouso. Uma simulação genial que entusiasmou a todos. O Galeão só entrou em funcionamento onze dias depois.

          Ainda em 1977, graças às receitas comerciais, a Infraero deixa de depender dos repasses do Governo Federal. Pela primeira vez, os ganhos aeroportuários conseguem pagar as despesas de custeio. A partir de então, os recursos federais são usados apenas para os investimentos.

  • 1978

          A solidez da Infraero se evidencia. Em 1978, passa a administrar o Terminal de Carga do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, São Paulo e inaugura o Terminal de Carga do Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, a administração do Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto, de João Pessoa, na Paraíba, é transferida para a empresa.

1980

  • 1980

          Os aeroportos de Viracopos, em Campinas, São Paulo e o de Altamira, no Pará, passam a ser administrados pela Infraero, em janeiro de 1980.

          Em janeiro de 1980, quando Frank Sinatra chegou ao Rio de Janeiro para o show histórico no Maracanã, Gilson Campos, importante jornalista carioca, então assessor de comunicação do Galeão, foi informado de que os promotores do evento haviam programado apenas uma entrevista dentro do aeroporto para uma emissora de TV, antes de o cantor subir no helicóptero que o levaria ao hotel. O assessor decidiu colocar o livro de honra do Galeão sobre um pedestal ao lado do DC-8 que trouxe Sinatra. Quando o cantor desembarcou, foi convidado a assinar o livro, o que fez com satisfação.

          Em março de 1980, o Ministério da Aeronáutica, com o intuito de incentivar o desenvolvimento do aeroporto de Bacacheri, em Curitiba, Paraná, transfere sua jurisdição para a Infraero. Em seguida, o Aeroporto de Bagé Comandante Gustavo Kraemer passa a ser administrado pela empresa e, em outubro de 1980, é a vez do Aeroporto Júlio Cezar, hoje denominado Aeroporto de Belém Brigadeiro Protásio de Oliveira, no Pará.

  • 1981

          O Aeroporto Congonhas, em São Paulo, passa a ser administrado pela Infraero em 1981 e, no ano seguinte, sob a gestão do tenente brigadeiro do ar Rodopiano de Azevedo Barbalho, é criado o Instituto Arsa de Seguridade Social, que passa a garantir aposentadoria e pensão aos empregados da empresa.

  • 1984

          Em março de 1984 é inaugurado, na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, o Aeroporto de Confins e, em 20 de janeiro, o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, São Paulo.

  • 1985

          Construído pela Companhia Vale do Rio Doce, o Aeroporto de Carajás passa, em 1985, à administração da Infraero.

  • 1987

          No ano de 1987, a Aeroportos do Rio de Janeiro S.A. (Arsa) é incorporada pela Infraero. Em abril, são criadas as superintendências regionais, com a responsabilidade de coordenar e supervisionar as atividades operacionais, administrativas, comerciais e financeiras dos aeroportos da Rede Infraero.

          A Infraero assume, a partir de 1987, o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

  • 1989

          O Governo Federal cria, em 1989, o Adicional de Tarifa Aeroportuária (Ataero), um acréscimo de 50% sobre as tarifas para ser aplicado em reforma, reaparelhamento e expansão das instalações dos aeroportos brasileiros.

1990

  • 1990

          Os anos 1990 têm início com o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, tido como o mais movimentado do País.

  • 1991

          Em 1991, em visita ao Brasil, o casal real britânico, Charles e Diana, aterrissam em solo paraense no Aeroporto de Carajás, para uma visita ao complexo minerador local.

  • 1992

          Como reflexo do crescimento da aviação comercial brasileira e do grande público estrangeiro esperado para a ECO 92, no Rio de Janeiro, todas as estruturas do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional do Galeão foram reformadas, aumentando a capacidade do local para 7 milhões de passageiros atendidos por ano.

  • 1994

          Em 1994, é criada a primeira Central de Atendimento ao Cliente (CAC) no Terminal de Carga do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

  • 1995

          Com a incorporação da Telecomunicações Aeronáuticas S.A. (Tasa), empresa estatal prestadora de serviços de navegação aérea, em 1995, a Infraero confirma sua competência e eficácia. Essa inclusão possibilitou à empresa um crescimento em sua área de atuação, abrindo, a partir de então, a prestação de serviços de navegação aérea Infraero.

  • 1996

          Em 1996, é instalado o primeiro sistema de transelevadores da Infraero, no Terminal de Carga do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, otimizando o processo de armazenamento de volumes.

  • 1997

          A Infraero implanta, no ano de 1997, mais uma inovação no terminal de Porto Alegre. Desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), o sistema Tecaplus provocou uma revolução na logística de carga ao permitir um controle muito mais eficiente da movimentação de volumes dentro dos armazéns do que o processo anterior, que era baseado em anotações manuscritas.

  • 1998

          Um incêndio de grandes proporções atinge o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, em fevereiro de 1998 e destrói 70% do terminal de passageiros. Os voos são transferidos para o Aeroporto Internacional do Galeão. O local é reconstruído em seis meses.

          Em 1998, no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, São Paulo, a Infraero, a Receita Federal, os importadores, as empresas aéreas e os agentes de carga se uniram para liberar algumas cargas de importação no prazo máximo de seis horas. O sucesso da parceria foi enorme. A Receita transformou a iniciativa, batizada de Linha Azul, em regime aduaneiro com validade em todo o País. As empresas que atuam nesse regime recebem tratamento de despacho aduaneiro expresso nas importações, exportações e trânsito.

2000

  • 2000

          Os anos 2000 chegam com grandes novidades. Em 12 de abril, a Infraero passa a ser vinculada ao Ministério da Defesa, não mais ao Ministério da Aeronáutica, que foi extinto e, Fernando Perrone se torna o primeiro civil a comandar a empresa. Ele assume o posto em 19 de abril e promove uma profunda reforma administrativa, que torna a Infraero mais ágil, eficiente e rentável. Executivos trazidos do mercado assumem cargos na diretoria e a empresa reforça a meritocracia, com os executivos focados em metas.

  • 2001

          Em 2001, é lançado o Programa Infraero Social, visando diminuir, por meio de projetos educativos e de capacitação, as distâncias entre a excelência tecnológica dos aeroportos brasileiros e as comunidades carentes que vivem no seu entorno. No mesmo ano, o conceito Aeroshopping – onde uma estrutura comercial atraente, voltada aos usuários dos terminais, oferece diversidade de serviços, trazendo conforto e variedade comparável a dos shoppings da cidade – é adotado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul e, posteriormente, em outros aeroportos da Rede Infraero.

  • 2003

          Para responder aos questionamentos dos clientes e propor soluções para melhorar os procedimentos nos aeroportos, é criada a Ouvidoria Infraero, em 2003. É lançado também o Programa Infraero de Eficiência Logística, que premia as empresas mais eficientes nas cadeias logísticas dos processos de importação. A partir da divulgação de rankings mensais, as empresas recebem pontos que, somados ao final de 12 meses, indicam qual foi o importador mais ágil na retirada das cargas.

     

  • 2004

          Em 2004, é publicado o livro Código de Ética Empresarial - Dimensões de Relacionamento e Conduta Corporativa.

          A Infraero passa a realizar melhorias nos aeroportos, sem interrupção dos serviços. Reformas são feitas durante as madrugadas – como na instalação de oito pontes de embarque e escadas rolantes em Congonhas, São Paulo, em 2004 –, sem prejuízo aos voos e com a preocupação constante de reduzir ao mínimo os impactos aos usuários.

  • 2005

          No ano de 2005, a Infraero torna-se a patrocinadora oficial da Confederação Brasileira de Judô. No mesmo ano, é criada, em 27 de setembro, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que assume as responsabilidades do Departamento de Aviação Civil (DAC), que foi extinto. Uma grande e profunda reestruturação na aviação civil.

  • 2006

          A preocupação com a sustentabilidade chega às pistas. As lâmpadas de balizamento dos aeroportos brasileiros queimavam com frequência e exigiam, durante a troca, o fechamento das pistas. A Infraero implanta, a partir de 2006, luzes com tecnologia LED, que oferecem economia de energia de até 90% em relação às lâmpadas convencionais.

  • 2007

          Em dezembro de 2007, são instalados os Núcleos de Acompanhamento e Gestão Operacional nos principais aeroportos da Rede Infraero. Em uma única sala, 24 horas por dia, todos os órgãos do setor aéreo passam a monitorar as operações dos complexos aeroportuários.

  • 2009

          A Infraero se torna patrocinadora oficial da Seleção Paralímpica Brasileira de Judô em 2009, mesmo ano em que tem sua marca revitalizada, buscando identificar a empresa como um patrimônio nacional. Os elementos essenciais foram mantidos, como o cata-vento, as pistas e o “i”, mas a imagem foi aproximada e ganhou o formato de uma bandeira. A aplicação das cores nacionais reforçou a identificação com o País. O verde remete aos compromissos ambientais e sociais. O amarelo alude às riquezas econômicas e humanas. O azul, além de ser a cor tradicional da empresa, representa o céu, o elemento primário das atividades do transporte aéreo.

          Ainda em 2009, funcionários da Infraero começam a usar coletes amarelos com a frase Posso Ajudar?, reforçando o atendimento aos passageiros. A campanha, iniciada no Santos Dumont, no Rio de Janeiro (RJ), é um sucesso e rapidamente chega aos demais aeroportos. No mesmo ano, é publicado também o Guia do Passageiro visando orientar os usuários menos habituados a viagens aéreas.

2010

  • 2010

          É lançada em março de 2010 nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em São Paulo, Juscelino Kubitschek, em Brasília e Galeão, no Rio de Janeiro, a campanha Fique por dentro, com o objetivo de esclarecer aos usuários as competências e responsabilidades de cada agente do setor aéreo. Diversas peças publicitárias informavam o público sobre a operacionalidade dos aeroportos. Esclarecimentos sobre embarques e desembarques, infraestrutura, sistema informativo de voos, ônibus, check-in, raio-X, esteiras de bagagens, estacionamento e varejo aeroportuário estavam detalhados por meio da campanha.

          Em dezembro de 2010, começa a funcionar o Centro de Gerenciamento Aeroportuário (CGA) no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos. O centro foi criado para coordenar a movimentação dos terminais e garantir a eficiência e a agilidade no fluxo de passageiros e aeronaves.

  • 2011

          O governo transfere, em abril de 2011, todas as atividades da aviação civil para um novo organismo, a Secretaria da Aviação Civil da Presidência da República (SAC-PR), com importância de ministério e vinculada à Presidência. A Infraero e a Anac, antes sob a administração do Ministério da Defesa, passam à responsabilidade do novo órgão, que comanda também a Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero), responsável por organizar as atividades operacionais dentro dos aeroportos, uma missão que é coordenada em todo o País pela Infraero, de acordo com decisão governamental.

          O Guia do Passageiro é atualizado em 2011 com a contribuição de órgãos e empresas públicas que atuam nos aeroportos. Foi a primeira vez que o setor produziu, de forma coordenada, um material sobre direitos e deveres dos passageiros.

          A Infraero entra nas redes sociais e lança o aplicativo Voos Online, que permite a consulta a horários e informações sobre voos em 55 aeroportos, entre outros serviços. O aplicativo atinge 500 mil downloads e ganha o Prêmio Colunistas 2011, categoria “Melhor Aproveitamento da Mídia Digital – Apresentações Especiais”, promovido pela Associação Brasileira dos Colunistas de Marketing e Propaganda (Abracomp).

  • 2012

          Em 6 de fevereiro de 2012 o Governo Federal realiza o leilão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília. Os contratos são assinados em 14 de junho e as unidades passam a ser administradas por Sociedades de Propósitos Específicos (SPEs). A Infraero é acionista das três concessões, com 49% do capital social de cada uma e participa da governança dos aeroportos na proporção de sua participação acionária nas concessionárias, com poder de decisão em temas relevantes, que foram estabelecidos em acordos de acionistas firmados entre as partes. As concessões têm início em 11 de julho do mesmo ano.

          Em 20 de dezembro de 2012, a presidenta Dilma Rousseff anuncia a concessão do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim – Galeão, no Rio de Janeiro e do Aeroporto Internacional Tancredo Neves – Confins, em Minas Gerais.

          Inaugurado pelo presidente Gustavo do Vale, no dia 25 de junho de 2012, o Centro Histórico – Memória Infraero, que reúne na sede, em Brasília, documentos como as primeiras atas de reunião de diretoria, registradas à mão, placas inaugurais de aeroportos e antigos instrumentos da Navegação Aérea. Ali estão raridades como o cofre do Terminal de Logística de Carga de Curitiba, pioneiro da Rede, e o projeto idealizado pelo arquiteto Oscar Niemeyer para o aeroporto de Brasília, escrito de próprio punho.

          As Olimpíadas de Londres de 2012 são muito especiais para o Brasil e para a Infraero, primeira empresa a patrocinar a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) e a Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV), na modalidade Judô para Cegos. A judoca Sarah Menezes ganha medalha de ouro. Seus colegas Felipe Kitadai, Mayra Aguiar e Rafael Silva conquistam o bronze, melhor desempenho da equipe brasileira de judô na história dos jogos olímpicos. Semanas depois, a seleção paralímpica conquista uma medalha de prata e três de bronze.

  • 2013

          De 15 a 30 de junho de 2013 o Brasil recebe a Copa das Confederações da Fifa. Para coordenar e acompanhar as ações de planejamento do setor aéreo é instituído o Centro de Comando e Controle Nacional, em ação 24 horas por dia, nas instalações do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), no Rio de Janeiro. No Centro de Comando há integração de todos os órgãos prestadores de serviços públicos nos aeroportos, companhias aéreas e operadores aeroportuários: Infraero, GRU Airport (Guarulhos) Inframérica (Brasília) e Aeroportos Brasil (Viracopos). Entre as atribuições deste centro está o acompanhamento de todas as operações aeroportuárias, desde a entrada no espaço aéreo brasileiro, passando pelas operações de pouso, decolagem e estacionamento das aeronaves até o tratamento dos passageiros nos aeroportos.

          No ano de 2013 o Brasil é sede de outro importante evento que reúne cerca de 4 milhões de pessoas para um dos maiores encontros da igreja católica, a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro. Para essa solenidade, a Infraero cria o projeto Fun Zone, um ambiente de 700 m2 com área de alimentação, totens de check-in, distribuição de material de divulgação, painéis de acolhimento, wi-fi e entretenimento que inaugura um novo conceito de atendimento ao cliente dentro do perfil do evento JMJ.

          Além do grande público presente na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o Papa Francisco, pousa no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, às 15h40 do dia 22 de julho de 2013 e é recebido pela presidenta Dilma Roussef, várias autoridades e representantes da igreja católica.

          Em convênio assinado em 11 de outubro de 2013, por meio de portarias da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, é delegada à Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes a administração do Aeroporto Bartolomeu Lisandro por 35 anos.

          Em sua proposta de prover soluções aeroportuárias, a Infraero inovoa com um sistema inteligente de ligação entre o terminal e a aeronave: o ELO. Um conector climatizado, com operação ao nível do solo, leva o passageiro da sala de embarque até o avião, com acessibilidade, conforto e segurança. A empresa lança o ELO no dia 8 de novembro de 2013, no Salão de Acessibilidade do 25º Festival de Turismo de Gramado, no Rio Grande do Sul. O equipamento é resultado de uma parceria da Infraero com a Ortobrás, empresa especializada em produtos destinados à acessibilidade de pessoas com mobilidade reduzida.

  • 2014

          O Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, de Palmas, no Tocantins, é o primeiro do Brasil a receber o ELO. O sistema entra em operação no dia 6 de fevereiro de 2014 e conta com a presença do então ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, do secretário nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Antonio José Ferreira, e autoridades locais.

          Com a criação da subsidiária Infraero Serviços, no início de 2014, em parceria com um operador internacional, para ampliar sua atuação no País e no exterior, a empresa se especializa também na prestação de serviços aeroportuários, consolidando-se como referência no setor.

          O segundo lote das concessões contempla, em maio de 2014, os aeroportos Internacional do Rio de Janeiro – Galeão Antonio Carlos Jobim e o Internacional Tancredo Neves – Confins. O primeiro é arrematado pelo Consórcio Aeroportos do Futuro, formado pela Odebrecht e Transport, com participação de 60%, e a Operadora do Aeroporto de Cingapura CHANGI, com 40%. O segundo, Aeroporto de Confins, é arrematado pelo consórcio Aero Brasil formado pela Cia. de Participações em Concessões – CCR, com participação de 75%, Operadora do Aeroporto de Zurique, Flughafen Zürich AG, com 24% e Munich Airport International Beteiligungs GMBH, com 1%.

          A Copa do Mundo de 2014 chega ao Brasil e a Infraero está pronta para receber turistas locais, estrangeiros e as delegações. As ações reúnem esforços de todas as áreas da empresa, que trabalham cada vez mais em sinergia para obter os melhores resultados. Várias campanhas e lançamentos acontecem, como o Lanche Popular, uma cesta de produtos a preços tabelados com cardápios em Braille. É lançado o programa De Olho na Mala que permite que os passageiros acompanhem da sala de desembarque o momento em que suas bagagens são colocadas nas esteiras e publica nova versão ilustrada do Guia do Passageiro, focada em pessoas com pouca experiência no transporte aéreo.

          Durante a Copa de 2014, a Infraero está presente nas redes sociais, disponibiliza integralmente sua Ouvidoria aos usuários e envia aos aeroportos das cidades-sede dos jogos uma força-tarefa de funcionários, devidamente treinados e com experiência em grandes eventos, para compor a equipe de atendimento local e receptivo.

          Grande sucesso durante a Jornada Mundial da Juventude, um ano antes, 12 Fun Zones são criadas nos aeroportos de dez cidades-sede da Copa 2014.

          Em 13 de agosto do mesmo ano, a Infraero ganha nova voz nos aeroportos. É o sound branding, iniciativa da empresa, primeira administradora de aeroportos, a adotar esse conceito para informar e orientar seus passageiros e usuários. A marca sonora é lançada nos aeroportos Santos Dumont e Congonhas, e implantada gradativamente em toda a Rede Infraero.

          Em 29 de agosto de 2014, a brasileira Mayra Aguiar obteve a medalha de ouro na categoria meio-pesado no Mundial de Judô da Rússia. A conquista, inédita na categoria, faz da atleta gaúcha, patrocinada pela Infraero, também a judoca brasileira com o maior número de medalhas em mundiais.

          A Infraero conquista o prêmio de melhor campanha institucional no 6º Prêmio ABAP de Sustentabilidade, promovido pela Associação Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP), em novembro de 2014. A conquista veio com a Floresta Sustentável, uma peça de comunicação sustentável, concebida e montada pelo artista Sérgio Miranda, apresentada ao público no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – Galeão durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20.

  • 2015

          Em Cerimônia no Palácio do Planalto, realizada no dia 9 de junho de 2015, é anunciado pela Presidência da República o lançamento do Plano de Investimento em Logística 2015-2018, que inclui a concessão de mais quatro aeroportos da Rede Infraero. São eles: Aeroporto Internacional de Fortaleza Pinto Martins, Aeroporto Internacional de Salvador Deputado Luís Eduardo Magalhães, Aeroporto Internacional de Florianópolis Hercílio Luz e Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre.

          A campanha da Seleção Brasileira de Judô, patrocinada pela Infraero, rende em julho de 2015, cinco medalhas nos Jogos Pan Americanos de Toronto, no Canadá. Em 11 de julho, Érika Miranda, Felipe Kitadai e Nathália Brigida conquistam respectivamente ouro, prata e bronze em suas categorias. No dia seguinte, Charles Chibana e Rafaela Silva obtêm respectivamente ouro e bronze. A conquista de Érika Miranda representa um marco histórico para o judô brasileiro, por ser o primeiro ouro do Brasil nos Pan Americanos de 2015, e também o primeiro ouro da categoria meio-leve feminina da seleção em Pan Americanos.

  • 2016

    Em 2016 a Infraero entra numa nova fase. No propósito do reestabelecimento e reequilíbrio financeiro de seu sistema aeroportuário, a empresa lança o plano de sustentabilidade, com o objetivo de garantir mais eficiência e produtividade, além de medidas como a redução da estrutura com os programas de demissão voluntária, a reestruturação da alta gestão da empresa, além de estudos para a revisão do modelo estratégico do setor aeroportuário brasileiro. Nesta nova fase, a empresa segue na direção da governança, buscando benchmarks internacionais e parceiros privados. Com isso, visa em primeiro lugar a excelência nos serviços e atendimento aos passageiros, bem como a ampliação de receitas, otimização dos gastos e corte de despesas. 

     

    Além disso, destacam-se as seguintes ações em 2016:

     

    Olimpíadas e Paraolimpíadas Rio 2016

    Passageiros que utilizaram os aeroportos da INFRAERO durante as Olimpíadas e as Paraolimpíadas Rio 2016, encontraram terminais confortáveis e preparados para atender a demanda de voos dos megaeventos esportivos. Nas ocasiões, os aeroportos da Rede atingiram 95,6% de pontualidade. Para garantir a fluidez das operações, desde o início da preparação para os Jogos Olímpicos, a INFRAERO participou de reuniões com órgãos que estiveram envolvidos no evento, inclusive o próprio Comitê Organizador Rio 2016. O episódio também demandou a montagem de um esquema especial do setor de Navegação Aérea da Infraero. Durante doze meses, profissionais da estatal participaram de 269 ações que envolveram treinamentos técnicos e práticos em simuladores de tráfego aéreo, atualizações de acordos operacionais, informativos sobre segurança, revisão de modelos, de manuais operacionais e de planos de resposta a emergência.

     

    Obras nos aeroportos do Norte

    A Infraero entregou nos dias 22 e 23 de janeiro, respectivamente, as obras de ampliação dos terminais de passageiros dos aeroportos de Tabatinga (AM) e de Santarém (PA). Somados, os dois empreendimentos representam investimentos de R$ 29,68 milhões. Em Tabatinga, as melhorias ampliaram a área do terminal de 1.065 m²; para 5.221 m², aumentando a capacidade operacional do aeroporto de 600 mil passageiros/ano para 2,3 milhões de passageiros/ano. Já em Santarém, as intervenções mais que dobraram a área disponível nos espaços de embarque e desembarque, oferecendo diversas novas facilidades para os usuários do terminal paraense. Com as melhorias, a capacidade operacional do terminal passou de 1 milhão para 1,83 milhão de passageiros/ano.

     

    Aeroportos Certificados

    Os aeroportos do Recife e de Goiânia receberam a Certificação Operacional de Aeroporto da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A obtenção do certificado confirma que os terminais estão de acordo com os parâmetros internacionais de segurança, autorizando também a operação regular de voos com aeronaves compatíveis com o código de referência 4E (MD-11, Boeing 777, 747-4) ou inferior.

     

    Hotsite Spotter Days

    A Infraero lançou, em novembro, o hotsite www.spotterdayinfraero.com. Através da plataforma, os amantes da fotografia e da aviação podem buscar num único lugar todas as informações sobre os Spotter Days realizados pela Infraero em sua rede de aeroportos.

     

    Megahub

    No ano em que completou 80 anos de operações, o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi apontado como o segundo “megahub” mais pontual do mundo, de acordo com a pesquisa da consultoria britânica Official Airline Guide, publicada no início de 2016. O terminal teve índice de 87,8% dos voos partindo no horário programado em 2015. Ele ficou atrás apenas do Aeroporto Internacional de Haneda, em Tóquio, que registrou uma pontualidade de 91,2% em 2015.

     

    Portal Financeiro

    A Infraero lançou em abril o Portal Financeiro, uma nova ferramenta para os clientes da empresa buscarem boletos de cobrança, demonstrativos financeiros de tarifas aeroportuárias, bem como de receitas comerciais. Os fornecedores e prestadores de serviço também podem obter comprovantes de rendimentos a partir do exercício de 2009 pelo site. O objetivo da Infraero é facilitar o acesso de seus clientes às informações financeiras, garantindo o melhor atendimento das demandas.

     

    Obras em Cuiabá

    A INFRAERO entregou em 2016 parte das obras de reforma e ampliação do terminal de passageiros Aeroporto de Cuiabá. As melhorias compreendem parte da nova sala de embarque doméstico, com operação em ponte de embarque, e a nova sala de embarque remoto.

     

    Aeroportos + Brasil

    O Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, foi eleito o melhor aeroporto do país pela 2ª edição do Prêmio Aeroportos + Brasil 2017, organizado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. O terminal também levou os prêmios nas categorias Restituição de bagagem + eficiente, Aeroporto + cordial e Raio-x + eficiente. Em 2015, o Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes-Gilberto Freyre (PE), também administrado pela Infraero, foi eleito o melhor aeroporto do Brasil.

     

    Voo de Negócios

    Infraero lança o Voo de Negócios, iniciativa da estatal para aproximar-se de empresários, agências de publicidade e eventos e associações comerciais interessados em abrir um negócio nos terminais de passageiros administrados pela empresa.

     

    Medidas sustentáveis

    De 2014 a 2016, a INFRAERO reduziu o consumo anual de água em seus aeroportos de 2.50.216 m³ para 2.152.545, uma economia de 12,4%. Já o gasto médio por passageiro passou de 22 para 20 litros de água por ano. Um desses exemplos vem do Aeroporto de Campina Grande, que encerrou 2016 com uma redução de 77% no consumo de água, em relação aos últimos cinco anos. O motivo para a redução foram estratégias adotadas pela Infraero, que possibilitaram, ano a ano, a diminuição do consumo de água no terminal paraibano, entre elas a aquisição de três caixas d'água de 15 mil litros para aumentar a reserva técnica na captação de água pluvial.

  • 2017

    Após anos no vermelho, Infraero atinge, em 2017, lucro operacional de R$ 505,4 milhões. Em 2016, o resultado foi negativo em R$ 120,6 milhões. Para 2018, a expectativa continua na mesma direção, com resultado positivo projetado em R$ 472 milhões, mesmo com a saída de quatro grandes aeroportos da rede – Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza.

    Além disso, destacam-se as seguintes ações em 2017:

     

    Aeroportos Certificados

    Os aeroportos de Vitória e Belém receberam a Certificação Operacional de Aeroporto, conferida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que regula os requisitos estruturais e de segurança para os aeródromos que movimentam mais de um milhão de passageiros por ano. O documento comprova que os terminais operam dentro dos requisitos de segurança operacionais internacionais, estando aptos a receberem operações mais exigentes.

     

    Regulamento de licitações

    A Infraero foi a primeira empresa pública a apresentar o novo Regulamento Interno de Licitações e Contratos, que estabelece diretrizes para suas contratações. Trata-se de uma exigência da lei nº 13.303/2016, conhecida como Lei das Estatais, e que deveria ser concluída até junho de 2018. Com as mudanças, a empresa passou a incorporar procedimentos semelhantes aos já adotados no Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), além de manter as orientações para a Lei de Licitações e Contratos (Lei 8.666/1993).

     

    Nova sala de desembarque em São Luís

    A INFRAERO concluiu as obras das novas salas de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de São Luís. Com as melhorias, a área do terminal passou de 6,2 mil m² para 11,1 mil m², ampliando a capacidade de passageiros de 4,4 milhões para 5,9 milhões/ano.

     

    Posto de abastecimento

    No início do mês de junho, entrou em operação um novo posto de abastecimento de aeronaves no Aeroporto de Campina Grande. Com mais de 800 metros quadrados de área, a estrutura tem capacidade para armazenar cerca 50 mil litros de querosene de aviação.

     

    Novas pontes em Manaus

    A INFRAERO substituiu as pontes de embarque do terminal de passageiros 1 do Aeroporto Internacional de Manaus. O investimento foi de R$ 24 milhões e garante mais conforto e eficiência nas operações de embarque e desembarque realizadas no terminal. Seis pontes de acesso foram substituídas, e duas pontes já existentes, instaladas durante a obra de ampliação do aeroporto, em 2014, receberam ajustes na parte elétrica para garantir a execução dos mesmos serviços. As novas pontes têm estrutura metálica com acabamento em vidro e atendem à legislação de acessibilidade.

     

    Nova sala de embarque em Londrina

    Entrou em operação em setembro de 2017 a nova sala de embarque do Aeroporto de Londrina (PR). Com investimento de R$ 3,6 milhões, a estrutura ampliou a capacidade do aeroporto de 2,2 para 3,1 milhões de passageiros por ano.

     

    Novo edifício-garagem (Maior contrato comercial da Infraero)

    Em setembro, foi inaugurado, no Aeroporto Internacional de Curitiba, o novo edifício-garagem. Construído e administrado pela Pare Bem Administradora de Estacionamentos Ltda, concessionária por 25 anos, a obra resulta do maior contrato comercial da história da Infraero, envolvendo R$ 52,96 milhões. O estacionamento tem 2.422 mil vagas. Somando ao estacionamento antigo, o aeroporto passa a ter mais de quatro mil vagas para veículos.

     

    Aeroportos + Brasil

    Em 2017, o Afonso Pena foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, como o melhor aeroporto do país pela 3ª edição do Prêmio Aeroportos + Brasil 2017, organizado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.  Na ocasião, o terminal paranaense também foi agraciado em outras quatro categorias:  Restituição de Bagagem + Eficiente, Aeroporto + Cordial, Aeroporto + Confortável e Aeroporto + Limpo.

     

    Concessão de Tecas

    Com o objetivo de consolidar seu novo posicionamento estratégico na área de soluções logísticas, a Infraero deu início a uma série de processos licitatórios para a operação e exploração comercial de Terminais de Logística de Cargas (Teca) em aeroportos administrados pela empresa. Com isso, a empresa busca permanecer alinhada às melhores práticas de mercado, mantendo a competitividade no mercado e buscando todas as oportunidades possíveis para gerar valor, reduzir custos e garantir a máxima eficiência.

     

    Complexos logísticos

    As operações dos terminais de logística de cargas da Infraero apresentaram crescimento de 19,5%, saltando de 104,5 mil toneladas em 2016 para 124,8 mil toneladas em 2017. O destaque foi o setor de importações, com incremento de 24,6%, chegando a 85,5 mil toneladas.

     

    Meio Ambiente

    Em 2017, a Infraero adotou, para seus empregados, copos reutilizáveis no lugar dos copos descartáveis. Essa medida colabora com a redução de resíduos sólidos, além de representar uma economia de 4,7 mil copos descartáveis por dia, o que gira em torno de 117 mil unidades por mês nas unidades da INFRAERO em Brasília, o que chegaria a custar R$ 36 mil ao ano.

     

    Nova parceria: Infraero x NBB

    A Infraero assinou contrato para ser a patrocinadora do Novo Basquete Brasil (NBB), que prevê um investimento de R$ 300 mil, ao longo de dois anos, e a promoção da estatal nos jogos de abertura e finais e jogo das estrelas.

     

    Melhorias em Parnaíba

    O Aeroporto Internacional de Parnaíba recebeu obras de melhorias na sala de embarque de passageiros. O local ganhou novos assentos – passando de 45 para 90 -, a instalação de forro em gesso e uma nova central de ar, reaproveitada do Aeroporto de Criciúma (SC). Agora, três equipamentos condicionadores de ar de 60.000 BTUs garantem a climatização do local. Ao todo, o investimento foi de R$ 25 mil.

     

    Recife bate recorde

    Em 2017, o Aeroporto Internacional de Recife atingiu a marca dos 7,77 milhões de passageiros, um novo recorde. A movimentação do ano passado superou até mesmo a registrada em 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil, que teve Recife como uma das cidades-sede. No ano do Mundial da Fifa, foram 7,2 milhões de passageiros.

     

    Maceió bate recorde

    O Aeroporto Internacional de Maceió registrou no ano de 2017 recorde na movimentação de passageiros. No período, foram contabilizados 2.068.170 embarques e desembarques, 72.798 a mais do que o apurado em 2016.

  • 2018

    No ano em que completou 45 anos de serviços aeroportuários ao Brasil, entrou em vigor uma nova estrutura na INFRAERO, com o número de diretores e diretorias passando de sete para quatro, o que representa 42% de redução no alto escalão da empresa. A nova estrutura, que também excluiu funções de confiança ligadas a essas diretorias, traz uma economia na ordem de R$ 5 milhões por ano. Com isso, a Infraero segue no seu propósito de consolidar-se como referência nacional e internacional através da excelência nos serviços, atendimentos e operações, além das melhores práticas de governança.

    Em 2018, os resultados do plano de sustentabilidade da empresa, lançado em meados de 2016, começam a surtir efeitos. Prova disso é o indicador de governo IG-SEST. Através desse instrumento de acompanhamento contínuo da governança das empresas estatais federais, a Infraero entrou para o Nível 1 de governança, conforme resultado divulgado pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST) do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Entre o primeiro ciclo, que se encerrou em novembro de 2017, e o segundo, aferido em maio de 2018, a Infraero passou de uma média geral de 4,39 para 9,25, um avanço de 110% em menos de 6 meses. A operadora de aeroportos conquistou a maior evolução entre todas as estatais avaliadas.

     

    Além disso, destacam-se as seguintes ações em 2018:

     

     

    Gestão

    Após oito meses do início do processo de concessão dos Tecas da Infraero para empresas privadas, a empresa reduziu em 65% os custos nos terminais dos aeroportos de Goiânia, Curitiba, Recife, Vitória e São José dos Campos, gerando uma economia de R$ 8,5 milhões. Entre agosto de 2017 e março de 2018, o custo da estatal com os terminais concedidos foi reduzido para R$ 4,5 milhões, enquanto que no mesmo período de 2016/2017 os custos de operação foram de R$ 13 milhões.

     

    Ponte Aérea

    A ponte aérea entre os aeroportos Santos Dumont e Congonhas, ambos administrados pela Infraero, foi apontada como a quinta mais movimentada do mundo em voos domésticos, segundo o Official Airline Guide 2018 (OAG) da consultoria britânica de monitoramento de viagens aéreas. O levantamento foi realizado ao longo de 2017, com base em 57 milhões de registros de voos. A ponte aérea Rio-SãoPaulo também é a quarta mais pontual do planeta para a categoria, com 80,09% dos voos chegando e saindo dentro do horário previsto nos respectivos aeroportos.

     

    Aeroporto certificado

    O Aeroporto Internacional de João Pessoa recebeu a certificação operacional, concedida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A certificação atesta a capacidade operacional do terminal e seu funcionamento de acordo com os pareceres de segurança e excelência estabelecidos pelos órgãos da aviação civil nacional e internacional.

     

    Conclusão e entrega do Aeroporto de Rio Branco

    No dia 19/3/2018, a INFRAERO entregou as obras de reforma e ampliação do Aeroporto de Rio Branco. Com investimento de R$ 43,2 milhões, o terminal acreano conta agora com uma área quase três vezes maior. Passou de 4,6 mil m² para 12,8 mil m², ampliando a capacidade de 1,3 milhão para 2,4 milhões de passageiros por ano. As áreas externas e internas do aeroporto, bem como a cobertura frontal, receberam um desenho arquitetônico especial. Foram incluídos pilares que imitam árvores nas áreas externas, o forro ondulado em madeira ganhou inspiração nas águas dos rios locais, e as paredes internas contam agora com elementos artísticos em aplique alto relevo, usando madeira local e certificada. Todos esses elementos remetem à Identidade Regional Amazônica.

     

    Conclusão e entrega do novo Aeroporto de Vitória

    O novo Aeroporto de Vitória foi aberto para a população no dia 30/3/2018. Foram 33 meses de obras e R$ 559,4 milhões investidos. Com um terminal quase cinco vezes maior e capacidade para 8,4 milhões de passageiros por ano, os viajantes e companhias aéreas terão suas atividades atendidas pelos próximos 15 anos, de acordo com a estimativa de demanda local. Todas as instalações seguem as normas de acessibilidade, garantindo o melhor atendimento aos passageiros com deficiência ou mobilidade reduzida.

     

    Licitação para obras em Foz

    A INFRAERO assinou, no dia 18 de maio, a ordem de serviço para ampliação do novo terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. Na ocasião, a empresa também firmou termo de compromisso com a Itaipu Binacional para ampliação da pista de pouso e decolagem, duplicação de acesso ao terminal e melhorias também no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. O total de investimento previsto é de R$ 32,7 milhões e o prazo final para execução é setembro de 2019. Com a reforma, a capacidade de passageiros por ano chegará a 4 milhões ante os 2,64 milhões atuais.

     

    Sistema ELO em Porto Velho

    A Infraero inaugurou, em 6 de junho, os conectores de embarque e desembarque de passageiros, mais conhecidos como Sistema Elo, no Aeroporto de Porto Velho (RO). Os serviços foram iniciados em dezembro de 2017, com R$ 6,09 milhões investidos. 

     

    Acessibilidade

    O Aeroporto de Goiânia recebeu, entre os dias 12 e 15 de abril, 700 atletas paralímpicos de 15 estados que competiram na etapa regional do Centro-Leste do Circuito Loterias Caixa de Atletismo, Halterofilismo e Natação, e também na 1ª Copa de Esgrima em Cadeiras de Rodas. Para atender com excelência a todos os competidores que embarcaram e desembarcaram em Goiânia, a Infraero realizou uma força-tarefa para garantir que toda a infraestrutura de atendimento à pessoa com deficiência estivesse disponível.