Histórico

Com localização estratégica e privilegiada, a apenas nove quilômetros do centro de Belo Horizonte, o Aeroporto Carlos Drummond de Andrade está inserido no contexto urbano em uma área de aproximadamente dois milhões de metros quadrados em uma das regiões mais valorizadas da capital mineira, o bairro da Pampulha. Com atuação voltada especialmente para a aviação regional e executiva o aeroporto vem se tornando também um importante polo de manutenção de helicópteros e aeronaves executivas e comerciais de pequeno porte.

1930

  • 1930

    As atividades do aeroporto tiveram início em 1933 e o principal objetivo era atender aos voos do Correio Aéreo Militar, na chamada Linha de São Francisco, que ligava o Rio de Janeiro a Fortaleza. O aeroporto era uma das escalas e sua denominação oficial, na época, era Destacamento de Aviação.

    No início dos anos 1930, o Aeroporto da Pampulha foi considerado apto para o tráfego da aviação comercial e, em 2 de setembro de 1936, por meio da Lei n.º 76, o Governo Mineiro foi autorizado a conceder à Panair do Brasil o direito de explorar a linha entre Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

  • 1936

    Em 23 de abril de 1936 é transformado em Núcleo do 4º Regimento de Aviação, com uma pista de grama com dimensões para operação com aeronaves do Correio Militar tipo Waco-Cabine, Piper e Beech-Mono.

    Curiosidade – Em 23 de março de 1937, foi oficialmente inaugurada a linha comercial Rio-BH-Rio, com um avião bimotor Lockeed 10E Electra I, PP-PAS, com capacidade para dois tripulantes e seis passageir

1940

  • 1941

    Em 1941, o aeroporto foi transferido para a Força Aérea Brasileira após a criação do Ministério da Aeronáutica. Nessa época já ficava evidente a necessidade de ampliação da pista do aeroporto.

    Em 1943 a pista é ampliada e suas dimensões alteradas para 1.500 x 45 metros, passando a receber aeronaves como o Curtiss-Comander, Beechcraft, Lodstar e Catalinas.

1950

  • 1950

    No início dos anos 1950 a pista passou a ter 1.700 metros e, em 1953 o aeroporto recebeu balizamento noturno. Posteriormente, a pista foi sendo sucessivamente ampliada de forma a receber aeronaves cada vez maiores.

    Um novo terminal de passageiros foi inaugurado em 1954.

1970

  • 1973

    O Aeroporto da Pampulha foi incorporado à Infraero em 3 de dezembro de 1973.

    Em 1978, foi criada a Comissão Coordenadora do Projeto Aeroportuário de Belo Horizonte – COPAER/BH para conceber e construir o novo aeroporto internacional mineiro, em Confins. A obra foi iniciada em 1979.

1980

  • 1984

    O Aeroporto Internacional de Confins – Tancredo Neves foi inaugurado em 1984, diminuindo consideravelmente o movimento do Aeroporto da Pampulha.

  • 1986

    Somente em 1986, com a criação dos voos diretos ao centro conhecidos como VDC, a Pampulha retoma suas atividades com demanda crescente.

1990

  • 1990

    A partir de 1990 com a inserção de modernas aeronaves a jato ligando Belo Horizonte a outras capitais, um grande número de passageiros volta a utilizar o Aeroporto da Pampulha, atraídos por sua proximidade com o centro da capital mineira.

2000

  • 2002

    No ano de 2002 o Aeroporto da Pampulha bateu o recorde histórico, com 3.073.976 passageiros passando pelos seus portões de embarque e desembarque, e um total de 88.737 operações de pouso e decolagens.

  • 2004

    Em homenagem ao centenário de nascimento do grande poeta e escritor mineiro Carlos Drummond de Andrade, no ano de 2004 o aeroporto passou a ser oficialmente denominado Aeroporto de Belo Horizonte/Pampulha – Carlos Drummond de Andrade.

  • 2005

    O antigo Departamento de Aviação Civil - DAC e a Infraero transferem em 2005 os voos de longa distância da Pampulha para o Aeroporto Internacional de Confins – Tancredo Neves. Com isso, o Aeroporto de Belo Horizonte/Pampulha – Carlos Drummond de Andrade passou a atender as principais cidades de Minas Gerais e se firmou como um dos principais aeroportos regionais do Brasil. 

2010

  • 2010

    Na última década, a Infraero promoveu obras para melhoria das pistas, pátios e terminal de passageiros, implantou a nova torre de controle, a revitalização das subestações e taxiways, a substituição das torres de iluminação e a adequação da sala AIS (Serviço de Informação Aeronáutica).