Histórico

A Área de Livre Comércio de Macapá-Santana possibilita novas oportunidades de negócios para a economia do estado do Amapá – principalmente na indústria, no comércio e turismo –, com foco nas relações com a América Central, América do Norte e a Europa. Nesse sentido, o Aeroporto Internacional de Macapá – Alberto Alcolumbre tem papel fundamental e estratégico, facilitando o transporte de passageiros e cargas, integrando as regiões e colaborando para o desenvolvimento do estado e do país.

1930

  • 1930

    A história do Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre começou a ser escrita na década de 1930 durante a Segunda Guerra, quando o governo dos Estados Unidos buscou composição com o Brasil para construção de bases aéreas militares.

1940

  • 1943

    No ano de 1943, na época do antigo Território Federal do Amapá, o então governador Pauxi Nunes, convidou o coronel Belarmino Bravo, da Força Aérea Boliviana, para fundar o Aeroclube de Macapá, para desenvolver, basicamente, atividades na área social e recreativa.

1950

  • 1953

    Com a instalação do Serviço de Aeronáutica (Saer), em 1953, composto por um hangar, um avião Bonanza Beechcraft A 36 e um campo de pouso, a sistematização de frequência de voos ficou consolidada. O avião foi adquirido com o objetivo de atender com mais rapidez a cobertura dos serviços administrativos do governo e, ao mesmo tempo, auxiliar a população no transporte de medicamentos para o interior ou de pessoas doentes para Belém do Pará.

  • 1955

    Curiosidade – O ex-presidente da Argentina, Juan Domingo Perón, deposto em 1955 por um golpe militar, hospedou-se por um dia na Base Aérea do Amapá, a caminho do exílio.

  • 1956

    No ano de 1956 foi criado no Aeroclube do Macapá, o curso de piloto de aeronaves.

  • 1958

    Em 1958, ocorreu a transferência das atividades aeroportuárias do campo de pouso então existente na Avenida FAB para a atual base do Aeroporto Internacional de Macapá.

1960

  • 1961

    Curiosidade – Leopoldo Heitor de Andrade Mendes, conhecido como o “Advogado do Diabo”, principal suspeito da morte da milionária tcheca Dana de Teffé – desaparecida misteriosamente em 1961, na Via Dutra, entre Rio de Janeiro e São Paulo –, foi preso no Aeroporto Internacional de Macapá quando tentava sair do Brasil fugindo da justiça.

1970

  • 1979

    O Aeroporto Internacional de Macapá – Alberto Alcolumbre passa à administração da Infraero em março de 1979.

1980

  • 1980

    Obras de arte em exposição permanente no aeroporto recepcionam os passageiros: um busto em bronze em homenagem a Coaracy Monteiro Nunes, primeiro deputado federal pelo Amapá, uma pintura de Raimundo Braga de Almeida – doada pelo autor em 1980 –, que retrata a capital, vista sob o ângulo principal da Fortaleza de São José, além de um monumento em miniatura da mesma Fortaleza.

2000

  • 2009

    O Aeroporto Internacional de Macapá passou a se chamar oficialmente Alberto Alcolumbre em abril de 2009, em homenagem a um grande empresário da cidade.

2010

  • 2012

    Várias melhorias foram realizadas no aeroporto como a troca do piso e do forro, além da reforma de sanitários do terminal de passageiros em 2012.

     

    No ano seguinte, os trabalhos continuaram com a construção de módulos operacionais para as salas de embarque e desembarque, a revitalização da fachada e a ampliação do terminal de passageiros e do pátio de aeronaves. As reformas possibilitaram o aumento da capacidade de passageiros de 750 mil para 2,1 milhões por ano.