Histórico

O estado de Alagoas, cuja economia já dependeu quase que exclusivamente na monocultura da cana-de-açúcar, tem se destacado pelo fortalecimento do turismo de lazer, de negócios e cultural. O litoral encantador, a rica gastronomia baseada em frutos do mar, o folclore, as lagoas e suas belezas naturais conquistam um número cada vez maior de novos visitantes. A inauguração, na década de 2000, do Centro de Convenções – Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso  atraiu também investidores que chegam à cidade de Maceió para eventos e feiras que ali ocorrem, ampliando ainda mais o leque de passageiros que chegam ao local pelo Aeroporto Internacional de Maceió – Zumbi dos Palmares.

 

Localizado na Região Metropolitana de Maceió, entre a capital alagoana e o município de Rio Largo, o aeroporto tem concepção contemporânea e acentuada plasticidade, com arquitetura de estrutura mista moldada em concreto e aço. A cobertura do terminal de passageiros possui abertura zenital e telhas em tom de verde procurando reproduzir a cor singular do mar de Maceió, capital de Alagoas. Quando escolheu o formato das torres de iluminação da pista de pouso e decolagem, o idealizador do projeto o arquiteto alagoano Mário Aloísio Melo foi inspirado pelas velas das jangadas. Várias obras de arte estão expostas no local. Telas, esculturas e painéis de artistas como Tânia Maia Pedrosa, Maria Amélia Vieira, Dalton Costa, Lula Nogueira, Rosa Piatti, Ana Maia, Rogério Gomes, Orlando Santos, Beto Normande, Bárbara Lessa, Rogério Sarmento, Marta Arruda, Sandra Neves, Reinaldo Lessa, Alex Barbosa e Satyro Marques, convivem em harmonia perfeita com o tom de modernidade das linhas arquitetônicas.

 

O terminal de passageiros foi construído com a mais moderna tecnologia e o Zumbi dos Palmares foi o primeiro aeroporto do Brasil a contar com a técnica de eficiência energética de cogeração de energia, uma parceria da Infraero com a Petrobrás, que permite uma forma de energia ambientalmente limpa, com a utilização de gás natural.

1920

  • 1928

    O primeiro aeroporto do estado de Alagoas recebia hidroaviões das companhias Pan American Airways, Panair do Brasil e Sindicato Condor e estava localizado na Lagoa do Norte, em um dos melhores planos d’água do litoral alagoano, por sua extensão, condições naturais e meteorológicas.

     

    Para atender às necessidades do avião DC3, então usado pelas empresas nacionais, foi construído o primeiro campo de pouso de Maceió. Um decreto estadual de junho de 1927 concedeu uma área de cem hectares de terras devolutas, no Tabuleiro do Pinto, à Société Franco-Sud-Américaine de Travaux Publics para a construção de um campo de pouso para aeronaves.

     

    Antes da conclusão da obra, a Compagnie Générale Aéropostale, sucessora da Latécoère, começou a operar o serviço de aeropostal nacional e, internacional, com o Uruguai e Argentina.

     

    A inauguração do campo de pouso ocorreu em 14 de outubro de 1928, com capacidade para seis aeronaves. Contava com estação de rádio, oficina mecânica, além de outras dependências e foi chamado de Costa Rêgo, em homenagem ao governador alagoano.

1950

  • 1951

    Em 1951 o Aeroporto de Maceió foi chamado Campo dos Palmares (Lei nº 1.438, de 19 de setembro de 1951) em homenagem ao mais famoso dos quilombos, o Quilombo dos Palmares, situado na Serra da Barriga, em Alagoas, onde negros escravos fugidos dos engenhos organizavam-se em grupos de resistência às investidas de seus senhores. A denominação atual (Lei 9.911, de 15 de dezembro de 1999) referencia o herói do Quilombo dos Palmares, conhecido como Zumbi. PALMARES, curiosamente, permanece em ambas as denominações por força da Lei nº 1.909 de 21 de julho de 1953, que determinou sua conservação.

1970

  • 1975

    Até 3 de fevereiro de 1975 o aeroporto estava sob a jurisdição do 2º Comando Aéreo Regional, passando nessa data à administração da Infraero.

  • 1976

    Em 1976 foi inaugurado o Terminal de Logística de Carga – Teca no Aeroporto Internacional de Maceió.

2000

  • 2005

    No ano de 2005, em 16 de setembro, dia da emancipação política de Alagoas, depois de uma grande reforma foi inaugurado o novo terminal de passageiros e a obra de expansão da pista de pouso e decolagem, que passou de 2.200 para 2.601 metros, com a presença do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.