As operações aéreas nos aeroportos da rede Infraero estão acontecendo normalmente, sem interrupção na prestação de serviço aeroportuário.
Orientamos aos passageiros que somente se dirijam aos aeroportos as pessoas que forem viajar.
22/01/2019 em Aeroporto Internacional de Belém - Val-de-Cans - Júlio Cezar Ribeiro

Complexo logístico de Val-de-Cans cresce 8% em 2018

O Terminal de Logística de Cargas (Teca) do Aeroporto Internacional de Belém/Val-de-Cans (PA) encerrou 2018 com crescimento na movimentação de cargas em relação a 2017. Somadas importações e exportações, o volume processado no ano passado atingiu a marca de 1.490 toneladas, 8% superior a tonelagem movimentada em 2017, que somou 1.374 (t).

A maior alta percentual do período ocorreu no setor de exportações, que registrou 1.192 toneladas de todo o processamento do complexo logístico, provocando um aumento de 32% no comparativo com 2017, quando foram contabilizadas 902 (t). Entre os principais produtos enviados para o exterior destacam-se a bexiga de peixe, o peixe ornamental, a polpa de fruta e o peixe congelado, tendo como destinos principais a América do Norte (Estados Unidos), Asia (Hong Kong, Japão, Vietnan, Tailândia e Malásia) e Europa (Reino Unido).

Já na área de importações, os produtos somaram 298 (t), com destaque para peças e equipamentos dos segmentos de mineração, metalurgia e construção naval. Os locais atendidos são o Distrito Industrial de Barcarena e os polos de mineração de Parauapebas, Oriximiná e Paragominas.

Imagem de um avião cargueiro na pista do Aeroporto Internacional de Belém, Val-de-Cans, no Pará.

Para o superintendente de Val-de-Cans, Fábio Rodrigues, o significativo acréscimo pode ser creditado à fidelização de clientes e à maior oferta de voos internacionais diretos. “O surgimento de novos clientes nos segmentos de importação e exportação também foi decisivo para este incremento”, completou.

Outro ponto que favorece as transações do Teca paraense é a vocação para o comércio da cidade de Belém em razão de sua posição geográfica. "Além de concentrar importantes distribuidores, Belém é dotada de uma conectividade invejável em diferentes modais”, destacou o superintendente.

Desde setembro do ano passado, o Terminal de Cargas de Belém passou a ter suas atividades de armazenagem e movimentação de cargas internacionais operadas pelo Grupo Porto Seco Centro Oeste, empresa vencedora do certame licitatório realizado no primeiro semestre de 2018.

A transferência das operações faz parte do posicionamento estratégico da INFRAERO, que prevê a exploração comercial de complexos logísticos situados nos aeroportos administrados pela estatal. O contrato de concessão do Teca foi assinado no dia 16 de junho de 2018, com vigência de 120 meses e valor global de aproximadamente R$ 5,5 milhões.

O superintendente explica que a gestão do Teca pela iniciativa privada reduz os custos operacionais e traz melhorias para as atividades de carga do estado e amplia o portfólio de clientes do terminal. “A concessão proporciona mais dinamismo e adaptação ao mercado, além de modernização, aumento de receitas e serviços logísticos”, afirmou.

Instalado numa área total de 4.770 m², o Terminal de Cargas de Belém é dotado de instalações administrativas e para a armazenagem das cargas (importação e exportação). A capacidade de armazenamento do local para cargas comuns é de até 100 toneladas, envolvendo mercadorias soltas e de diversos tipos. No caso de cargas refrigeradas (entre 3 e 8ºC) - há espaço de até 35 m³ - que podem ser armazenadas em três câmaras frigoríficas e uma sala com temperatura controlada.


Assessoria de Imprensa – Infraero
imprensa@infraero.gov.br
www.twitter.com/infraero
www.facebook.com/infraeroaeroportos
www.instagram.com/infraeroaeroportos

FALE CONOSCO