As operações aéreas nos aeroportos da rede Infraero estão acontecendo normalmente, sem interrupção na prestação de serviço aeroportuário.
Orientamos aos passageiros que somente se dirijam aos aeroportos as pessoas que forem viajar.
26/03/2018 em Aeroporto de Goiânia - Santa Genoveva

Economia de água no Aeroporto de Goiânia abasteceria 55 casas com quatro pessoas durante um ano

O Aeroporto de Goiânia/Santa Genoveva alcançou uma economia de 8,15 mil m³ de água em 2017. Esse volume equivale a abastecer 55 residências com 4 pessoas durante todo o ano e é resultado do reuso de água, feito pelo aeroporto desde novembro de 2016, quando a Estação de Tratamento e Reuso de águas pluviais e de águas cinzas (ETR) foi implementada.

A água reutilizada pelo terminal goiano vem de três tipos de fontes: cinza, proveniente das pias e ralos exceto das pias e ralos das cozinhas; pluvial, que vem da chuva coletada no telhado do terminal de passageiros; e purga das torres de resfriamento do ar-condicionado. Após o tratamento, estas águas são utilizadas para descarga nos vasos sanitários e mictórios de todo o terminal de passageiros.

Além de reduzir o consumo de água, a ETR alcançou uma economia na fatura de água de mais de R$ 136 mil reais. Desconsiderados os custos operacionais, a economia final foi de R$ 95,7 mil no ano passado. Essa medida possibilita ainda focar o uso da água potável para fins mais nobres do que encaminhar para a descarga da bacia sanitária, principalmente no período chuvoso, quando a cobertura do terminal recebe uma grande contribuição de água de chuva. Como consequência, ao invés do aeroporto ser abastecido com essa parcela de água, a água da potável segue para abastecer as casas da região.

Imagem externa do sistema de tratamento do reuso das águas do Aeroporto de Goiânia, em Goiás.

Para o superintendente do Aeroporto de Goiânia, Eduardo Barduco, uma fonte alternativa de água para o aeroporto é importante no combate à crise hídrica que ocorre no Centro-Oeste. “O tratamento traz grandes vantagens ao terminal de passageiros, como a preservação de água para casos que exijam sua potabilidade, como o consumo humano”, conclui.

Como funciona
O processo de tratamento de águas pluviais é iniciado em um tanque de decantação. Em seguida, a água passa por um filtragem em areia com carvão ativado e desinfecção com ultravioleta. Para o sistema de águas cinzas, o líquido passa por um tratamento biológico (aeração, decantação e filtro biológico), tratamento físico-químico (tanque de mistura rápida, floculador, de decantação, desinfecção por hipoclorito de sódio, filtragem de areia com carvão ativado e desinfecção por ultravioleta). A purga da torre de ar condicionado segue o mesmo sistema de águas pluviais. Ao todo, esses processos variam de cinco minutos (água da chuva) a até quatro horas (água cinza).


Assessoria de Imprensa – Infraero
imprensa@infraero.gov.br
www.twitter.com/InfraeroBrasil
www.facebook.com.br/InfraeroBrasil
www.instagram.com/InfraeroBrasil

FALE CONOSCO