As operações aéreas nos aeroportos da rede Infraero estão acontecendo normalmente, sem interrupção na prestação de serviço aeroportuário.
Orientamos aos passageiros que somente se dirijam aos aeroportos as pessoas que forem viajar.
31/10/2016 em Aeroporto de Teresina - Senador Petrônio Portella

Teresina recebe novos equipamentos de auxílio à navegação aérea

      Os pilotos e companhias aéreas que utilizam o Aeroporto de Teresina/Senador Petrônio Portella agora dispõem de novos equipamentos de auxílio à navegação aérea. Tratam-se do DVOR (Radiofarol Omnidirecional em VHF utilizando o princípio Doppler) e DME (Equipamento radiotelemétrico), disponibilizados para uso desde o dia 13/10. Também foram publicadas as novas cartas de aproximação padrão por instrumentos (IAC) e de saída padrão por instrumentos (SID).

      Com o novo sistema, o Aeroporto de Teresina passa a oferecer procedimentos de pouso e decolagem com mais confiabilidade e precisão, em especial na separação entre as aeronaves quando elas estiverem em voo nas fases de aproximação e saída do aeroporto, o que gera uma maior fluidez na movimentação das aeronaves que chegam e parte do aeroporto.

      “O sistema anterior, que era o VOR/DME, com mais de 30 anos de uso, foi desativado pelo desgaste e por causa das restrições operacionais resultantes das interferências causadas pelos obstáculos no entorno do aeroporto. Agora, com o DVOR, o terminal conta com um sistema mais estável e preciso”, afirma o superintendente de Teresina, Marco Aurélio Zenni.

      A estabilidade do DVOR é maior porque ele pode contar com até 51 antenas dispostas em um círculo e que utilizam o princípio Doppler para emissão dos sinais. Dessa forma, as ondas de rádio são emitidos por uma antena fixa (em AM) e por pares de antenas opostas uma a outra, sendo que cada emissão é feita por um par diferente (em FM). Assim, a localização da pista de pouso é informada por sinais de rádio emitidos de forma variável, o que aumenta a precisão e reduz a possibilidade de interferência para os pilotos. “Numa comparação simples, é como se acionássemos duas buzinas ao mesmo tempo: uma fixa num ponto e outra num carro em movimento circular em torno da fixa. Quem escuta essa combinação consegue ter uma noção da localização das buzinas”, explica Zenni.

      Além de ajudar a aumentar a fluidez do tráfego aéreo a partir de uma separação menor entre os voos, o DVOR também é uma alternativa para as aeronaves que não usam as rotas de navegação de área (RNAV), feitas a partir de satélites e sistemas digitais de bordo que permitem deslocamentos mais diretos, sem precisar passar por pontos de auxílio à navegação.

      O investimento no novo DVOR/DME foi feito pela Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), acertado junto à Infraero por meio de um termo de permissão de uso. Ao todo, R$ 1,07 milhão foi aplicado na melhoria.


   Assessoria de Imprensa – Infraero
   imprensa@infraero.gov.br
   www.twitter.com/InfraeroBrasil
   www.facebook.com/InfraeroBrasil
   www.instagram.com/InfraeroBrasil

FALE CONOSCO